Habitação Social

As habitações públicas de Macau tiveram origem na assitência e beneficência. Em Agosto de 1928, houve um grande incêndio, num antigo bairro social na zona de Toi San de Macau, que ficou destruído. No ano seguinte, o Governo resconstruiu um conjunto de habitações baixas neste mesmo local, e este tornou-se o primeiro bairro de habitação pública de Macau. Até 1949, já tinha construídos 23 blocos, com 711 fogos, continuando o Governo a construir várias habitações.

Anos
 
Anos 1960 a 1968

A partir das décadas 60 e 70, o Governo oferece, em forma de arrendamento, habitações sociais de cinco a sete andares, às famílias de baixos rendimentos ou famílias com problemas sociais, processando várias reparações e reconstruções nestes bairros, a fim de prestar um bom ambiente residencial e melhores instalações públicas para satisfazer as necessidades das famílias.

Neste período, foram construídas mais de 300 habitações, apoiadas, principalmente, por organismo de carácter assistencial, instituições privadas de caridade e religiosas, associações de assistência social ou organismos internacionais. Neste período, foram construídos os seguintes bairros:

Aldeia da Esperança - 32 fracções;
Bairro Social de Seac Pai Van - 32 fracções; 
Bairro Social da Taipa - 200 fracções; 
Edifício D.ª Angélica Lopes dos Santos - 70 fracções.

Devido ao desenvolvimento social e ao aumento do nível de vida, demoliu-se a Aldeia da Esperança, o Bairro Social de Seac Pai Van e o Bairro Social da Taipa. O Edifício D.ª Angélica Lopes dos Santos foi reconstruído adequadamente para idosos, com as mais diversas instalações, nomeadamente elevadores, alarme para idosos, etc., bem como centros de apoio, fornecendo aos idosos um serviço de emergência de 24 horas, por associações de serviços sociais.

 
Anos 1970 a 1984

Neste período, existe um total de 804 habitações construídas directamente pelo Governo ou por serviços de apoio social, e construíram-se os seguintes bairros:

Edifício D.ª Julieta Nobre de Carvalho - 340 fracções;
Bairro Social Iao Hon - 224 fracções;
Bairro Social Fai Chi Kei - 240 fracções;

Seguidamente, este Instituto, em 1995, reconstruiu os Edifícios D.ª Julieta Nobre de Carvalho A/B/C, adequando as habitações para os idosos, aperfeiçoando e aumentando diversas instalações, bem como centros de apoio para idosos, fornecendo-lhes um serviço de emergência de 24 horas, por associações de serviços sociais.

 
Anos 1985 a 1992

A maior parte dos bairros de habitação social foram construídos neste período, tendo sido, em 1988, construído o maior bairro social, o de Mong-Há. Os bairros construídos, foram os seguintes:

1985 - Bairro Social de Tamagnini Barbosa - Torres A/B/C - 579 fracções;
1988 - Bairro Social de Mong-Há - 650 fracções;
1992 - Bairro Social da Taipa - 263 fracções.

 
Anos 2005 a 2007

Durante o período de construção da habitação social, foi concluída a Habitação Social da Ilha Verde - Edifício Cheng Chun , com 210 fracções.

 
Anos 2008 a 2009
São as seguintes habitações sociais construídas durante este período:
Habitação Social do Fai Chi Kei (Edifício Fai Fu) - 484 fracções para idosos;
Habitação Social do Fai Chi Kei (Edifício Fai I) - 400 fracções;
Edifício da Ilha Verde (Edifício Cheng Chong) - 252 fracções para idosos.
 
Anos 2010 a 2011
São as seguintes habitações sociais construídas durante este período:
Habitação Social da Ilha Verde - Edifício Cheng Choi - 672 fracções;
Habitação Social de Mong Ha - Edifício Mong Sin  - 588 fracções;
Habitação Social da Ilha Verde - Edifício Cheng Nga - 375 fracções.
 
Anos 2012 a 2013
São as seguintes habitações sociais construídas durante este período:
Habitação Social de Mong Há - Edifício Mong In - 346 fracções;
Habitação Social de Seac Pai Van - Edifício Lok Kuan   - 4,672 fracções.
 
Anos 2014 a 2015
São as seguintes habitações sociais construídas durante este período:
Habitação Social de Fai Chi Kei - Edifício Fai Tat - 737 fracções;